Programa Criança Feliz: o que é, como funciona e quem tem direito

Iniciativa é considerada o maior programa do mundo destinado à primeira infância.

Você já ouviu falar sobre o Programa Criança Feliz? Então saiba que essa iniciativa é uma das principais apostas do Governo Federal para contribuir com o desenvolvimento infantil.

Os primeiros anos de vida de uma criança são decisivos para o seu futuro. É na primeira infância que ela recebe os estímulos essenciais para o seu desenvolvimento e aprendizagem. Pensando nisso, o governo resolveu investir em políticas públicas para acompanhar as crianças pobres do Bolsa Família desde cedo.

O que é o Programa Criança Feliz?

O programa Criança Feliz existe desde 2016.

O programa Criança Feliz foi lançado no dia 05 de outubro de 2016, no Palácio do Planalto. Quem liderou o lançamento foi a primeira-dama Marcela Temer, que apareceu ao lado do ex-presidente Michel Temer.

Em tom emotivo e sem se estender muito, Marcela Temer fez um discurso de três minutos para falar sobre o novo programa do Governo Federal. Em sua fala, ela destacou a importância da iniciativa para melhorar a vida das crianças de todo o Brasil, desde a gestação até toda a fase da primeira infância.

Ao se pronunciar no palanque para as autoridades, a primeira-dama fez questão de destacar que o seu trabalho será voluntário. Ela resolveu assumir o papel de embaixadora do programa para ajudar a população mais pobre, colaborar com as causas sociais e sensibilizar a sociedade como um todo.

Como funciona?

O Criança Feliz é um programa do Governo Federal,  coordenado pelo Ministério da Cidadania (antigo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário). O seu principal objetivo é desenvolver políticas públicas para melhorar a qualidade de vida na primeira infância. O aporte inicial da iniciativa foi de R$ 300 milhões.

O projeto Criança Feliz se destaca como uma ação complementar ao Bolsa Família. Ele não oferece transferência direta de renda, mas sim uma assistência especial as crianças que pertencem às famílias pobres.

A ideia do governo é realizar visitas semanais nas residências das famílias do Bolsa Família. Os pais são orientados por especialistas para cuidar da saúde dos filhos. Questões como alimentação, vacinação e higiene serão abordadas.

A equipe do Criança Feliz é multidisciplinar, ou seja, composta por diferentes especialistas. O projeto conta com a ajuda de pedagogos, centros de referência de assistência social e escolas. Através das ações junto à comunidade, o programa espera reduzir a taxa de mortalidade infantil no Brasil.

Para quem se destina o programa?

O público-alvo é composto por gestantes e crianças com idade até três anos, que pertencem às famílias atendidas pelo Bolsa Família e outros programas sociais do CadÚnico. Em caso de crianças com deficiência, as visitas domiciliares são realizadas até os seis anos de idade.

Como receber o acompanhamento?

Os beneficiários do Bolsa Família precisam procurar saber se o estado ou município aderiu ao programa Criança Feliz. Isso será possível na hora de realizar a atualização do Cadastro Único.

Não é a primeira vez que um projeto é criado no Brasil pensando no desenvolvimento infantil. O “Criança Feliz” se inspirou no “Primeira Infância Melhor”, um projeto realizado pelo governo do Rio Grande do Sul.

O que faz um visitador social?

O visitador social é uma das figuras mais importantes do programa. Ao visitar as famílias, ele é responsável por preencher formulários, fazer o diagnóstico inicial, orientar sobre as atividades de estimulação, acompanhar as ações educativas e manter o supervisor informado sobre as situações. Além disso, ele precisa cumprir o cronograma e seguir as recomendações do guia para visita domiciliar.

Criança Feliz no governo de Bolsonaro

Apesar de ser um programa criado por Michel Temer, o Criança Feliz continua atendendo a população no governo de Jair Bolsonaro. No início do mês de julho de 2019, o Ministério da Cidadania anunciou que 420 mil crianças em situação de vulnerabilidade social serão incluídas na iniciativa. Atualmente, o programa atende 3 milhões.

O público-alvo do Criança Feliz foi ampliado em 2019. Agora, o atendimento não é mais uma exclusividade daqueles que pertencem ao Bolsa Família ou recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). O programa passou a incluir todas as crianças do Cadastro Único.

Desde quando foi criado, em 2016, o programa tem buscado expansão. Hoje, são atendidas 678 mil crianças em todo o Brasil. A equipe conta com 18 mil visitadores domiciliares, que são encarregados de orientar as famílias sobre questões do desenvolvimento integral na primeira infância.

Até o momento, 2.623 municípios aderiram ao programa social voltado para crianças. A iniciativa cresceu consideravelmente e passou a integrar várias áreas, como saúde, cultura, educação, justiça, assistência social e Direitos Humanos.

Desde quando o programa foi criado, mais de 16,8 milhões de visitas foram realizadas. Com isso, mais de 678 mil crianças e gestantes receberam ajuda.

O Ministério da Cidadania não está sozinho no programa Criança Feliz. Ele conta com 15 entidades parceiras, como é o caso da Fundação Itaú Social, Unicef, Fundação Pitágoras e a ONU. Todas contribuem de alguma forma com a iniciativa, principalmente na qualificação dos visitadores domiciliares e supervisores.

O que você acha do Programa Criança Feliz? Restou alguma dúvida? Deixe um comentário. Mais informações sobre a iniciativa podem ser obtidas pela central de relacionamento 121 ou através do site oficial.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.2
Total de Votos: 8

Programa Criança Feliz: o que é, como funciona e quem tem direito

21 comentários

  • ALMIR DOS SANTOS GUIMARAES:

    Será aberto concurso para esse programa (Visitador)? E se sim, qual as exigências?

    Responder
    • Imociene Barros Gonçalves:

      Como posso fazer a inscrição para ser um multiplicador sem ter que passar pelo município? Pois vocês sabem como funciona a política em todo pais.Não importa se eu quero o melhor para meu município, o que importa é se eu votei ou não gestor.Que por sua vez, são esses os motivos que não ajuda nem o país crescer,quanto mais municípios.

      Responder
    • Lânia Dores Silva:

      Senhores,
      Gostaria de uma oportunidade de trabalhar neste Projeto Criança Feliz, tenho acompanhado o processo, o qual me orgulho.
      Na minha graduação Serviço Social obtive experiencia de campo e coordenação de grupos em visitas domiciliar, como famílias carentes, crianças e idosos, coletando dados.
      Trabalho em Assessoria Executiva e moro em Brasília. Sou recém graduada em Serviço Social, descobri minha real vocação, me rebelar e colaborar por um Brasil mais justo.

      Responder
  • Ana Lucia Aparecida de Lima:

    COMO VÃO FAZER PARA CHAMAR ESSAS PESSOAS (VISITANTE) SERÁ UM PROCESSO SELETIVO OU ESCOLHA PELA PREFEITURA.

    Responder
    • ILZA NERIS DE OLIVEIRA:

      Como será feito a escolha desse visitador?
      Desde já me candidato.
      Trabalho a 15 anos como acs.
      Tenho curso fundamental completo , e Técnico básico em saúde.

      Responder
    • Imociene Barros Gonçalves:

      Como a política não visa o melhor e sim o voto, gostaria de saber se esse processo seletivo é através do governo federal ou se é pelo município? Se for pelo Governo Federal, gostaria de dar aqui minha ideia. Primeiro quero dizer que sou Agente Comunitária de Saúde e Técnica em Enfermagem, já trabalho em forma de visitas a esse público “CRIANÇA FELIZ” que para mim, não tem nada de feliz. Muitos são pobres e nem tem Bolsa Família. Bem, com somos os profissionais da ponta, os que fazem o elo entre a comunidade e as equipes. O governo federal, bem que poderia nos gratificar em forma de um incentivo adicional, ao nosso salario que já está tão defasado, e em parceria com a categoria de ACS, desenvolver esse trabalho, lógico envolvendo outros profissionais como: Psicólogos, Nutricionistas …etc.
      Contem comigo, no meu município independente de incentivo amo o que faço,amo cuidar.Já faço esse trabalho dia após dia. Acompanho, peso, alimentação,vacinas e etc. Meu nome é TRABALHO mesmo sem ser reconhecida, por conta dessa política triste que só visa o VOTO do cidadão.

      Responder
  • Cibele dos Santos:

    Gostei muito

    Responder
  • Célia Santos:

    Será garantido a matrícula das crianças beneficiárias do programa, nas creches das redes municipais de ensino?

    Responder
  • Hélio Batista de Souza:

    Parabéns, precisamos inovar. Mas, os pais precisam de emprego e renda. Depois dos 3 anos as despesas aumentam. A unica forma de ajuda é fornecer o anzol e ensiná-los a pescar acabar com a dependência, ir à luta, pagar imposto para fortalecer o sistema de infraestrutura, mas, não o caixa dois de Cunha e outros 11 inquéritos.

    Responder
  • Elieusina Rodrigues de Almeida:

    Boa tarde, gostaria de saber quais são os ´critérios para que o município de Curaçá – Bahia possa aderir o Programa Criança Feliz?
    Elieusina Rodrigues
    Presidenta do CMDCA

    Responder
  • Juliana Fernandes Barcelos:

    A ideia é Boa. Mas a minha pergunta é! Será Q estas famílias irão receber estes profissionais toda semana, será q vao nos acolher toda semana; sem achar ruim com tanta visita e orientação toda semana? Tirando a privacidade das familias? Não vai ser injoativo? Sou Assistente social me chamo Juliana.

    Responder
  • Janira da Silva:

    Acho que a proposta desfaz tudo que está sendo construído pela Política de Assistência Social e se exime de ter o compromisso, do Estado, com a criação de mais creches. Não se percebe quais serão, de fato, as ações a serem desenvolvidas e falta compromisso das políticas de educação e a saúde. Além disso, as crianças não são “pobres” são empobrecidas pelo sistema em estamos inseridos/as.
    São apenas ações pontuais, que não vão afiançar os direitos e atenções que as famílias necessitam, conforme preconiza o SUAS, sem realmente ocorrer a garantia de direitos.
    POR QUE NÃO FORTALECER O QUE JÁ EXISTE?? SERVIÇO DE ATENÇÃO INTEGRAL À FAMÍLIA; SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS, ETC.
    Não se pode aceitar tudo que nos é jogado “goela abaixo”. Cuidado vocês que querem trabalhar no “ controle das famílias pobres”.

    Responder
  • Neuza de Andrade Ferreira:

    qual o critério para participar deste programa?

    Qual o criterio para se inscever no programa Criança Feliz. ?

    Quem forma o comite sao os membros CMSA ou sociedade civil e governamental?

    Q

    Responder
  • Jailton de Oliveira Conceição:

    Boa tarde. ..

    Como faço para trabalhar nesse projeto? Vai haver algum concurso? Sou formado em Serviço social, tenho inscrição no CRESS, e gostaria de saber como faço para participar.

    Responder
  • MARIA DAS GRACAS DE ALMEIDA SANTOS:

    Gostaria de trabalhar na equipe de visitação/orientação as famílias. como fazer?

    Responder
  • Celia Silva:

    Seria muito bom que as propostas feitas pelo governo Temer no tangente à Politica de Assistência Social, fosse de fortalecimento do que já temos preconizado no SUAS. Já esta contemplada a primeira infância e suas famílias, no Programa de Atendimento Integral à Família. O que precisamos é que sejam ampliadas as equipes técnicas que atuam nos CRAS e que sejam disponibilizados equipamentos para garantias da execução das propostas. No papel fica tudo bem arrumadinho (só articular palavras), mas, para quem executa os serviços socioassistenciais ficam os desafios da falta de veiculo para deslocamento, de material pedagógico, de profissionais, de recursos financeiros, de espaço físico, entre outros. Vamos conferir no futuro o que será!!!

    Responder
  • márcia:

    Mais visita ?? vamos visitar e percebemos a necessidade da população que não é de “visita”, nem de primeiro damismo, e faremos o que com as suas necessidades??? Deixem de “vigiar” o bolsa família e passem a olhar quem realmente rouba a infância no nosso país. Totalmente contra…. Vai estudar para querer intervir na ASSISTÊNCIA SOCIAL ….. sem noção

    Responder
  • roseli:

    gostaria de participar do projeto …como participa…

    Responder
  • kivia:

    Como faço para saber se a minha cidade faz parte do projeto?

    Responder
  • Antonio Jose Oliveira Rodrigues:

    Bom dia Sou Assistente Social, estive no CREAS/Calçoene/AP, durante 6 meses com as mínimas condições de trabalho , sem internet, que viabiliza os encaminhamentos, sem veiculo para visitas domiciliares, mais um programa ótimo, mais como atender essa demanda nos municípios , demandas essa advindas do judiciário, do Bolsa Família e do CREAS? já que as equipes são bastantes reduzidas como: ex: falta de pedagogo, etc.

    Responder
  • Ana maria França:

    Com certeza mais uma estratégia para ganhar votos o projeto em si não é ruim só seus idealizadores não devem conhecer o programa de Agentes Comunitários de Saude que ja existe no Pais ha mais de 20 anos , e que ja realizam esssas visitas periódicas com acompanhametos e orientações nao so a getantes e crianças mas também a hipertensos,diabéticos,idosos,adolescentes,pessoas com limitações e transtonos metais!ha não ser que tudo isso seja um complemento ja que será coordenado pelo Ministério Social de Desenvolvimento Agrário (MDS) ao Programa já existente.

    Responder

Comente